Kassab é gay ou não é gay? Eis a questão

A eleição para prefeito de São Paulo pegou fogo esta semana graças a uma propaganda da campanha de Marta Suplicy, do PT, que perguntava: “Você sabe se Kassab é casado? Se tem filhos?”. Uma pergunta absolutamente banal, mas que quando endereçada ao prefeito Kassab, que não é casado e não tem filhos, virou o maior bafafá. Rapidamente grupos de representantes da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) taxaram a propaganda de homofóbica e preconceituosa, considerando-a um abuso contra o direito do prefeito de manter a sua sexualidade bem guardada no fundo do armário. Mas, como dizem no interior: se uma vaca é malhada, pelo menos uma pinta ela tem, não é?

Acredito que a sexualidade do prefeito seja uma questão pública uma vez que ele está concorrendo a um cargo também público, pago com dinheiro público (meu e seu) onde ele vai determinar como gastar dinheiro público. Se ele quisesse mantê-la privada, bastava ficar em casa e não ingressar nessa vida que como o próprio nome diz, é pública.

Penso que a capacidade de aceitar sua própria sexualidade, exercê-la com felicidade, defendê-la com firmeza e ajudar os outros a respeitá-la é uma importante forma de honestidade pessoal. Quem não defende a própria sexualidade vai defender a dos outros? E se um candidato oculta isso por que acredita que vai percder votos, não é isso uma forma de mentira também preconceituosa? O Fernando Henrique perdeu uma eleição por dizer que não acreditava em Deus. Só o diálogo destrói o preconceito. Esqueletos no armário fermentam preconceitos.

Me parece então que esta deverá ser a única questão realmente interessante dessa eleição uma vez que escolher entre a Marta e o Kassab é gostoso como escolher entre uma martelada no dedo e um corte com na pálpebra.

De qualquer modo não pude deixar de imaginar uma lista com algumas das perguntas capciosas que o prefeito vai ter de enfrentar daqui pra frente durante as entrevistas.

— Prefeito, uma perguntinha sobre cinema: “Tróia” ou “300”?
— Quais são os 7 melhores CDs de Maria Bethânia?
— Fora “Blue Jeans”, que outras peças o senhor recomenda?
— O senhor tem alguma dica de esfoliante natural para o contorno dos olhos dos eleitores?
— Christopher St. em Nova York. Castro em San Francisco. Que outras dicas de viagem ao exterior o senhor pode dar?
— Uma sobre futebol: quem tem as melhores pernas do brasileirão?
— É verdade que o senhor pretende proibir o uso de camisas em boate?
— Sua recomendação: cera quente ou depilação definitiva a laser?
— Depois do Cidade Limpa o Senhor considera implantar o Projeto Cidade Básica Mas Com Acessórios Incríveis?

A conclusão é que Marta cuspiu na própria biografia, marcada pela luta e apoio à causa LGBT, mostrando o quanto se afeiçoou ao poder e que está disposta a qualquer coisa pra obtê-lo novamente. E o Kassab, está perdendo a oportunidade de esconder de vez seu passado nefasto de integrante da direita retrógrada e se tornar o primeiro prefeito abertamente gay da cidade menos preconceituosa do Brasil. Pô, São Paulo tem a maior parada Gay do mundo!!! A nossa falta de preconceito é uma das poucas coisas boas de que podemos nos gabar.

Agora, caso o Kassab não seja gay, deixa tudo isso pra lá. Só nos restará voltar a acompanhar outras eleições mais emocionantes. Eu pessoalmente estou torcendo pelo negão nos EUA e pelo maconheiro no Rio. Se tivessemos um gay em São Paulo, meu voto já seria dele. É na diversidade que a vida se abrilhanta.

Anúncios

7 Respostas para “Kassab é gay ou não é gay? Eis a questão

  1. Mas que absurdo! Esse post turbinou meu cérebro quase antes d’eu acordar, às 7h… Concordo com quase tudo, mas dizer que a vida sexual do prefeito tem que ser pública é exagero. Não me interessa saber com quem ele dorme ou acorda. Não acho que ele tenha que se assumir gay ou não. Isso é PESSOAL. Que ele seria campeão de votos com o público LGBT isso é fato, mas as necessidades de uma cidade vão além das necessidades de qualquer grupo isolado, (LGBT, negros, judeus, jovens…).
    Sou total a favor dessa quebra de paradigmas… TOTAL! Torço pelo Obama e pelo Gabeira. Acho excelente essa mudança comportamental social. Mas dizer que o prefeito (que não ganhou meu voto no primeiro turno) TEM QUE EXPOR a vida SEXUAL porque é público é exagero.

    Agora qto a campanha da Marta nem tem o que dizer. Foi apelativa. Faltou bom senso. Será que ela se esqueceu que foi eleita sem segundo turno A VADIA do ano por se divorciar do Suplicy e casar com o argentino? Na ocasião achei péssimo tbm! Me perguntava: Não acredito que nos dias atuais uma mulher ainda tenha que passar por isso!Será?
    Mas agora percebo que a Marta é tão preconceituosa qto aquela avalanche de pessoas com opiniões formadas sobre as noites de amor dela. E na boa, é melhor do Kassab não ter filho do que ter um filho como o Supla. Pronto falei.

    E acho que a melhor maneira de combater o preconceito é não dar valor maior para situações em desvantagens e sim tratar com igualdade.

    Ps: Na Folha de São Paulo de ontem, no caderno Cotidiano, Kassab afirma: “Tem muitas mulheres me querendo” e “Eu não sou gay…”. Particularmente acho que ele é gay, mas isso não fará dele um melhor ou um pior prefeito.

  2. Você conseguiu ser igual ou mais preconceituoso que a propaganda da Marta. Se o Kassab gosta de homens, mulheres, capivaras ou gavetas, isso compete a ele e a seus parceiros. Se o Kassab, se eleito, vai melhorar essa cidade, aí sim compete a nós, que pagamos nossos impostos.
    Você está se equiparando a uma senhora carola que fica na janela comentando a vida da vizinha. E essas perguntas do debate, foram a tentativa mais frustrada de humor. Uma bosta.
    Espero que nem todos pensem assim, ou logo São Paulo perderá até o que tem de melhor: a cidade mais acolhedora de grupos e minorias.

    Comentário do Blogueiro:
    Bia,
    Não concordo com você pois se alguém vai me representar no governo eu tenho todo o direito de saber tudo que quiser sobre essa pessoa. Se ela não quiser me representar eu não tenho interesse em saber nada sobre ela. Não precisa tentar me esculhambar se você ficou nervosa. Eu não disse que isso afeta de forma alguma a capacidade dele de ser prefeito. Afeta sim a minha capacidade de escolher ele como prefeito. Então fica assim. Eu não sou Carola, não sou preconceituoso e concordo como o meu próprio texto que diz que a falta de preconceito é o que temos de melhor.E pelo seu humor já deu pra ver que de humor você realmente não entende nada. Mas nem por isso nada do que você escreve é uma bosta. Bj.

  3. Fantástico…
    se vc se candidatasse meu voto era seu…
    o problema é q sua vida tb seria pública…ai, fode…..

  4. Kassab é gay sim, algum problema nisso? o.o

    Comentário do blogueiro:
    Não venha dar uma de machão aqui. A gente é a favor de ser gay, mas contra ser Kassab.

  5. Muito boa a especulação!
    E de fato acho sim; que se ele quer assumir uma administração publica, deve expor sua preferencia, alem do que, isso soa anormal dentro de qualquer liderança, mas com o tempo nos acostumamos.
    A transparencia deve existir com o sem langerie (rsrs).
    Mas isso de fato é um problema que só ele tem. o “poder da solução” em assumir ou não. E olha que não estou falando do Roberto Shinyashiki.
    Mas de qualquer forma, sobre toda esta polemica, espero que a masculinidade impere em assumir e executar todas as promessas, (que foram muitas) 76% sejam resolvidas.
    Amém.

  6. Gay ou não, ele será o nosso prefeito e quem não gostou…. VAI TER QUE ENGOLIR!!!
    E deixa o Kassab trabalhar!!!!

    Comentário do Blogueiro: Ser partidário do Kassab qualifica você como S (simpatizante) de GLS ou não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s